Os textos deste Blog foram extraídos dos livros de Horácio Netho: "COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais"

"VIA CORAÇÃO, Caminhos da Transformação" - "SUTRAS, Uma Vida Melhor" - "VIA TERRA, Caminhos da Luz"


terça-feira, 25 de abril de 2017

PRÁTICAS EVOLUTIVAS: Meditação e Contemplação



“Uma das bases primordiais que sustentam a prática da meditação é a fé. É saber que se vai penetrar em verdades inconcebíveis e em mundos desconhecidos que permeiam a existência e a inexistência do ser [...] Para se combater o inimigo é sábio conhecer a sua força, os seus recursos, as suas estratégias e os seus objetivos. Desta forma, o ser humano deve buscar conhecer o seu ego dual e combatê-lo, internamente, até a rendição total. O ego é o principal inimigo do homem enquanto percebido, reconhecido e vivenciado pelo próprio ego. Iluminado e reconhecido pela alma, o ego passa a ser um aliado que serve de base inferior para a sua expressão. Ou seja, em determinado nível o ego é um veículo essencial nos níveis inferiores para a expressão dos propósitos advindos dos níveis supra-humanos. É através do seu ego que um mestre espiritual se torna visível à humanidade comum e assim pode cumprir a sua missão de auxílio na matéria terrestre. A meditação é a ferramenta de investigação primordial para se conhecer os limites essenciais do ego [...] Ao contrário do que muitos pensam, a indiferença é um comportamento elevado que parte do não julgamento. É base essencial para o estabelecimento do desapego e da neutralidade. Há técnicas avançadas de meditação que proporcionam a incorporação da consciência da indiferença no ser humano. A indiferença propicia um distanciamento mental e emocional saudável dos eventos externos da vida, abrindo espaço e sustentação para a ação instantânea da intuição. Destitui os desejos e a zona de sofrimento da consciência humana comum, estabelecendo um vetor de contato ascensional [...] Redimensionar os frutos de uma meditação profunda é tarefa que não se deve fazer. É involuir. Não há meios disponíveis eficazes que possam transcodificar fidedignamente a experiência vivenciada nas dimensões superiores [...] A prática da meditação não intenciona fazer do ser humano um ser bonzinho, calmo e incapaz de fazer mal a alguém... um manso. Ilusão. A meditação tende a tornar o ser mais coerente, mais conectado com a sua essência e mais fidedigno às suas respostas para com a vida. Ser bonzinho, fazer o bem ou o mal está abaixo de onde a meditação alcança. A consciência que se busca através da meditação é transcendente para a dualidade bem e mal. É vivencia que se destina à neutralidade e ao esvaziamento dos julgamentos mentais e das respostas emocionais. Busca conectar o autopoder todo centrado, que às vezes constrói e outras vezes destrói [...] Se faz necessária uma meditação profunda sobre a relação da consciência humana com o espaço-tempo externo. Desta forma, pode-se observar as escapadas que a mente tende a dar, constantemente, do momentum interno do eterno agora. Este momentum traz a unificação de todos os tempos ilusórios externos através de uma iniciação que permite usufruí-los, a partir da quinta dimensão, sempre com a consciência atenta e desperta no eixo central do agora [...] Todos os elementos externos da existência, quando observados profundamente em estado meditativo, se dispersam no vazio. Os budistas já pregam esta realidade, há séculos, denominando-a de sunyata. A ciência da física quântica contemporânea já acolhe e confirma esta verdade. É que, através dos altos níveis de pureza e meditação, o homem é iniciado com os mistérios da natureza atômica. Ou seja, a consciência humana desperta dos grandes iniciados está muito à frente do que a atual ciência ainda precise investigar e confirmar.” (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)





PARA COMEÇAR a MEDITAR
(LAMA PADMA SAMTEN)



“Em sânscrito, a palavra 'SGOM' (algo como familiarizar-se) é usada, no Tibete, para designar o que conhecemos como meditação, na cultura ocidental. A vida superior é paradoxal, ou seja, corre em paralelo à mente e não a toca. A meditação é o meio de transcender a experiência da mente e perceber a vida superior, na sua própria dimensão. A meditação é uma prática somente indicada para aqueles que já possuem certo grau de con­centração mental e buscam aperfeiçoar a compreensão das relações men­tais com os elementos da vida. Antes de se acessar o estado meditativo (que é incidental), a mente humana necessita desenvolver uma estabilidade de concentração, que suporte esta experiência superior sobremental. Não é o ego humano que busca a prática da meditação. É a cons­ciência da sua alma que, quando se apronta para despertar, projeta uma luz atrativa na direção da sua consciência inferior. A consciência da alma se faz perceber através de uma voz interna e silenciosa, que usufrui das vias intuitivas para se comunicar. Sabendo disto, o ser humano inician­te na meditação deve apenas concentrar a sua mente e entregar-se, em silêncio desinteressado, ao comando de sua própria alma [...] O planeta Terra está passando por uma transformação em sua grade de energias. A incorporação da quinta dimensão na consciência dos elementais da Terra impulsionará a humanidade a uma frequência vibracional correspondente aos estados meditativos, relativos às expe­riências dos corpos de luz humanos. Desta forma, as técnicas milenares tradicionais de meditação estão se tornando ultrapassadas, pela pró­pria facilitação da elevação da consciência planetária.”  (Extraído do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 162 e 165)









MEDITAÇÃO c\ 1 MILHÃO de CRIANÇAS
(DOCUMENTÁRIO BBC)



“Um ser humano pode perdurar por longos períodos praticando várias técnicas de meditação e vivenciar uma reduzida carga de experiências conscienciais. Contudo, um outro ser humano pode penetrar acentuadamente os níveis mais sutis da consciência em pouco tempo de prática meditativa. Cada ser conduz, normalmente, um nível diferenciado de propósito diante o seu status evolutivo. Daí, a verdadeira meditação deve respeitar a individualidade de cada ser, deve se encaminhar como uma prática livre sem desejos ou metas totalmente definidas. Desta forma, cada ser estará apto para acessar mais adequadamente o que lhe for correspondente segundo a regência da sua própria consciência superior [...] A meditação é uma prática superior que independe de qualquer doutrina religiosa. É uma prática livre, pessoal, direta e sintética, autocentrada na busca da consciência holística. Segue a individualidade da cada ser e é vivência de autoconhecimento [...] É da natureza da mente humana comum tagarelar, desviar constantemente o foco de sua atenção e estabelecer condicionamentos. É de sua natureza, também, a tendência a assumir a liderança do ego e o controle sobre as verdades com as quais se identifica. Da mesma forma, uma mente comum tende a penetrar invasivamente e sem humildade os espaços externos e ambientais nos quais o ser se encontra, agredindo por vezes sutilmente estes lugares. É necessário um estado de consciência meditativa para que se consiga desenvolver uma maior retidão mental e um comportamento mais disciplinado, equilibrado e amoroso da mente [...] Muitos seres humanos falam sobre o ego a partir da sua própria consciência e percepção egóica. Nunca vivenciaram a sua natureza superior por meio da meditação. Desta forma, não conseguem discriminar nitidamente a sua essência, pois relatam a partir das experiências, informações e definições dos outros. Em verdade, são ignorantes que especulam sem conhecimento de causa, ficando na própria superficialidade inerente do ego, em retroalimentação da ilusão de suas mentes [...] A partir da sua dimensão de linguagem, as palavras tentarão expor uma apresentação, uma imagem ou uma idéia sobre as realidades divinas. Mesmo usufruindo das combinações mais harmônicas e perfeitas entre as palavras, em qualquer idioma, o plano divino ainda será distorcido. A consciência humana só compreenderá a divindade por via direta e esta via é acessada por meio do silêncio, da concentração, da pureza, do estado meditativo e contemplativo [...] Caso o ser ainda não tenha um bom nível de meditação, ele vai estar sempre diante o plano das máscaras, das personalidades e dos egos. Nunca poderá se aproximar verdadeiramente da essência de um outro ser. Ficará limitado ao plano das ilusões, da superficialidade aparente e se perderá facilmente com a sua ignorância diante os seus julgamentos infundados. Desta forma, perderá muitas oportunidades de se elevar por não ser capaz de perceber a luz maior de outros seres e se beneficiar dela [...] O místico contemplativo não conduz técnicas meditativas, está além delas. Ele traz o veio da luz superior acessível em sua consciência e a toca quando quer [...] O ego só é melhor compreendido através de um certo distanciamento. A meditação é a prática vivencial adequada para promover o distanciamento e a observação da consciência humana sobre si própria. Por este meio, a consciência humana superior ao ego poderá revelar-lhe a sua essência [...] Não é a mente que cria a realidade ou a ilusão, ela simplesmente confirma ou nega estes aspectos. A natureza da ilusão e da realidade estão acima da capacidade mental. Somente em meditação e silêncio interno profundo pode-se perceber a essência do propósito da mente [...] Com a meditação analítica e investigativa, o ser pode perceber como se manifestam e quais espaços ocupam as suas dimensões física, emocional e mental [...] É da natureza da mente querer estar sempre no controle da vida. Porta-se como um controlador tirano, ditando o que deve e o que não deve, o que é e o que não é. Meditar é desapossar este ditador (mente) e entregar o cargo a Deus, humildemente em silêncio para que um novo reinado surja.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)




RELAÇÃO entre ORAÇÃO e MEDITAÇÃO
(TRIGUEIRINHO)



“A contemplação é o meio de comunicação entre o homem e o suprahomem, entre a vida mundana e a vida divina. O invisível se deixa penetrar, os símbolos se expõem, as sincronicidades se manifestam, desilusões brotam e véus são retirados. A supramente em contato com a supranatureza. Não há mais só o cantar do pássaro... Ao praticar a verdadeira contemplação, o ser se desnatura e transcende todos os conceitos pré-estabelecidos pela sua mente. Desta forma, acaba se expandindo, conhecendo e encontrando a si próprio interconectado num mergulho profundo na essência do todo [...] A voz interna mais profunda de um ser vai além da sua manifestação atual dentro da raça humana. Como pode um ser humano dar vez à sua voz interna, se ele se encontra sobrecarregado com imagens mentais externas, se ele está condicionado a viver a sua realidade somente através dos contatos externos, se ele acredita fielmente que a sua realização dar-se-á exclusivamente no campo da matéria, se ele deixou-se cair na armadilha do excesso de compromissos e responsabilidades individuais, se ele vive a sua vida para consumir e ter sem saber o porquê, se ele se encontra incapaz sequer de ter tempo para contemplar a vida e conversar com Deus? [...] O místico contemplativo não conduz técnicas meditativas, está além delas. Ele traz o veio da luz superior acessível em sua consciência e a toca quando quer [...] Se o ser não contemplou cachoeiras, oceanos, jardins, pássaros, as artes e todas as outras ofertas de expressões da natureza deste belo planeta, é porque realmente ele não sabe o que a vida na Terra quer da sua existência [...] Quando for, buscar a intenção. Lá, contemplar. Ao retornar, reflexão [...] Ao contemplarmos silenciosamente a Terra física a partir de seus cumes, altos, colinas, montanhas... um conhecimento interno nos toca, apesar de nem sempre ficar totalmente consciente e claro, preferindo permanecer oculto [...] Um instrutor espiritual coligado aos mundos divinos exerce o seu propósito a partir do contato e do alcance de sua consciência. Divide o seu caminho com inúmeros outros seres. Sabe que nunca está ou esteve só. Vive o seu dia em função do todo e para o todo, em nome da Fonte e como uma expressão da Fonte. Cumpre a sua missão indo além dela, projetando para a vida externa parte do que acolheu em seu mundo interno. Torna-se um espelho que reflete a luz recebida. Transforma-se em um curador, reestruturando os corpos em desarmonia. Governa a sua vida em benefício dos outros e com os outros. É um guerreiro silencioso e perspicaz que destrói ilusões amorosamente, além da dualidade. Vê-se sacerdote iniciando a humanidade em novos caminhos e, em nenhum momento, deixa de contemplar a beleza intrínseca exposta pela vida maior [...] O segredo não está em ter o controle da vida ou em ser permissivo com ele, mas em perceber como se manifesta esta dinâmica de controle. A observação e a contemplação são pré-requisitos em direção à origem deste controle [...] Através da meditação e da contemplação o ser sabe, mas evita explicações... Tende ao silêncio [...] A partir da sua dimensão de linguagem, as palavras tentarão expor uma apresentação, uma imagem ou uma ideia sobre as realidades divinas. Mesmo usufruindo das combinações mais harmônicas e perfeitas entre as palavras, em qualquer idioma, o plano divino ainda será distorcido. A consciência humana só compreenderá a divindade por via direta e esta via é acessada por meio do silêncio, da concentração, da pureza, do estado meditativo e contemplativo [...] Não negar o que lhe aflora. Aceitar e contemplar. O que fazer? Eis a prova [...] O caminho já está aí, se realizando. Neste momento, em todos os pontos do Cosmos, as expressões diferenciadas da Fonte se manifestam. Inúmeros reinos e sub-reinos, inúmeros arquétipos e princípios. Um universo, uma galáxia, um sistema solar, um planeta, uma raça... são pequenas gotas em um mar infinito de realidades que há muito o quê se revelar para a vida. O homem terreno é um pequeno grão integrante de uma conjuntura maior e ainda incognoscível. Em sua efêmera natureza, cabe ao ser humano contemplar a grandeza da Fonte e seguir serenamente a simples experiência de cada momentum da sua existência.”   (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)








sábado, 22 de abril de 2017

CONSCIÊNCIA MENTAL e a VOZ do CORAÇÃO










“A mente humana possui vários estratos de consciências que cap­tam e decodificam as várias relações vivenciadas pelo ser em cada nível de expressão da vida. A mente concreta rege a experiência do ego e se identifica com os aspectos materiais mais densos da existência sobre a Terra. É uma mente lenta, pouco flexível, resistente, limitada em si, com baixo po­tencial criativo, dual, vivencia a ilusão e o sofrimento. É responsável por sentidos de julgamentos, análises e criação de sentimentos como apego, medo, ciúme, raiva, inveja, etc. Retêm elementos de natureza animal, resquícios da evolução coletiva desta raça humana planetária. Analítica, possessiva, linear e racional. É a mente onde os sistemas de crenças ficam depositados e a superficialidade da vida é experimenta­da. Reflete uma aura fricativa tamásica [...] A mente humana mais primitiva (concreta), como um componente evolutivo ancestral do reino animal, conduz o ser humano a permanecer em atividades básicas sociais características da sobrevivência animal (ali­mentar-se, reproduzir-se e proteger a família). Quando a mente da alma inicia o seu despertar, estas atividades da mente animal humana vão perdendo as suas importâncias. O ser humano passa, então e somente a partir daí, a observar e a buscar temas de autoconhecimento transcendentais para a sua vida existencial. A mente abstrata do ser humano, após vivenciar uma série de purificações e harmonizações para com a mente concreta, pode trans­cender realidades materiais e sentimentos desarmônicos densos não mais se associando a estas experiências. Desta forma, alimentos físicos podem desinteressar a consciência do ser, assim como sentimentos de raiva, inveja, apego, ciúme, desejo, etc. Emitindo uma vibração cerebral mais sutil, a mente abstrata se identifica com nutrientes mais sutis, se­jam de ordem física ou emocional.”  (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 158 e 159











“É improdutivo buscar a compreensão do divino com uma mente inábil, desorganizada, desconcentrada e inflexível em suas crenças. A mente é a porta principal de entrada para o fortalecimento da ignorância e também para o conhecimento que suporta a sabedoria divina [...] Ao aspirar e tentar compreender a iluminação, a mente do homem comum tende a seguir uma linha racional que busca explicações e entendimentos externos palpáveis. Desta forma, surgirão muito mais questões que respostas. A manifestação da iluminação é um evento paradoxal e transcendente, manifestando-se para além do alcance da mente comum e linear, encontrando-se em uma dimensão acima. É intocável e misteriosa para a vida mundana. Encontra-se em estado latente dentro do próprio inconsciente humano, ainda não desperto. O silêncio, a devoção, a investigação humilde, o desapego mental, a purificação, a entrega e o despojamento são bases essenciais para um homem comum se aproximar e poder acessar o sentido da iluminação. Antes disso, a ignorância permanece [...] Muitos seres humanos falam sobre o ego a partir da sua própria consciência e percepção egóica. Nunca vivenciaram a sua natureza superior por meio da meditação. Desta forma, não conseguem discriminar nitidamente a sua essência, pois relatam a partir das experiências, informações e definições dos outros. Em verdade, são ignorantes que especulam sem conhecimento de causa, ficando na própria superficialidade inerente do ego, em retroalimentação da ilusão de suas mentes [...] O encontro com o divino não ocorre seguindo caminhos inflexíveis e sob crenças pré-estabelecidas. É preciso entregar-se profundamente ao silêncio interno, distanciar-se de toda e qualquer crença pessoal ou coletiva e buscar penetrar o vazio da existência. Devemos aquietar nossas mentes e deixar que a própria vida superior nos conduza, mostrando-nos o mais adequado para cada momento e ser, sem nenhuma expectativa [...] Muitos seres humanos ainda não possuem uma capacidade intelectual para assimilar os ensinamentos dos grandes mestres. São incapazes sequer de compreender os ensinamentos de um único mestre, quanto mais de reunir e sintetizar os ensinamentos gerais daqueles grandes mestres que lhes são disponíveis. Mais ainda, não conseguem transferir da mente intelectiva para o plano abstrato a verdadeira essência a que se destinam os ensinamentos espirituais. É que seus tempos ainda estão por vir [...] Ao praticar a verdadeira contemplação, o ser se desnatura e transcende todos os conceitos pré-estabelecidos pela sua mente. Desta forma, acaba se expandindo, conhecendo e encontrando a si próprio interconectado num mergulho profundo na essência do todo.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)





O PODER da MENTE HUMANA
(COMANDO ESTELAR ÓRION - JOAHDI)



“Cada estrato de consciência mental humana ressoa e se sintoniza com as leis correspondentes aos planos de manifestações da sua natu­reza. Desta forma, a mente concreta é o veículo que reconhece as leis naturais da vida. De outra forma, a mente abstrata acolhe e reconhece as leis sobrenaturais que regem as sua experiências, ainda planetárias. Por sua vez, a mente simbólica superior é o veículo que transita cons­cientemente pelas leis supranaturais das realidades cósmicas, alçando os limites além da órbita terrena. O despertar de uma mente abstrata requer condições energéticas e vibratórias, capazes para acolher e sustentar a sua natureza. Para isto, a concentração, a purificação e a organização mental são pré-requisitos indispensáveis. Esta é uma mente mais flexível, altruísta, criativa e de­sapegada. Tende ao silêncio, às artes, ao fabuloso, aos sonhos, ao mis­tério e à atemporalidade. Investigativa e inclusiva. Reflete uma aura elétrica rajásica. Devido ao grande acervo de instruções que foram posicionadas, na Terra e nos últimos milênios, relacionado aos temas religiosos, espi­rituais ou transcendentais, uma mente humana investigadora pode ge­rar uma imagem distorcida das realidades cósmicas, influenciada por parte deste acervo contaminado e manipulado ignorantemente dentro do reino humano. Pureza de intenção, oração sincera e aspiração entre­gue corrigem esta possível distorção. A mente de um ser que já possua o seu corpo de luz (merkabah) des­perto é conhecida, no Budismo, como Bodhichitta, ou mente iluminada. Esta mente é altruísta por sua natureza inerente e é a base sob a qual a vida cósmica inicia a sua revelação direta à consciência de um ser huma­no terreno. Bodhichitta é a mente de contato com os seres cósmicos que pertencem aos reinos superiores ao humano, assim como também com os Mestres humanos cósmicos em serviço, na Terra. Uma mente humana terrena ilumina-se através de um evento iniciático, consciente, onde o próprio ser experimentará pela primeira vez a energia da Luz celestial. As iniciações mais elevadas para a consciência humana, na Terra, não são vivenciadas diretamente pela mente concreta do ser. São redimensionadas e refletidas nela, mas não são compreensíveis à sua natureza. Ocorrem em caráter paradoxal (paralelo à mente) para a sua natureza, não a toca e para se fazer sensível, serve-se do esta­do meditativo, ponte que alça esta consciência aos sítios das mentes superiores [...] A transcendência de elevação das consciências mentais, nível a nível, requer uma série de práticas e vivências que destinam o ser humano terreno a uma perfeição arquetípica projetada pela Fon­te para este planeta. Quanto mais um ser humano desenvolver um discernimento superior para reconhecer os sinais que o seu caminho evolutivo lhe propõe, mais Amor Sabedoria será manifestado em sua vida, rumo aos desígnios de aperfeiçoamento dos projetos da Fonte Central da vida.” (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos datransformação”, págs 160 e 161)



https://www.heartmath.org/




“É da natureza da mente humana comum tagarelar, desviar constantemente o foco de sua atenção e estabelecer condicionamentos. É de sua natureza, também, a tendência a assumir a liderança do ego e o controle sobre as verdades com as quais se identifica. Da mesma forma, uma mente comum tende a penetrar invasivamente e sem humildade os espaços externos e ambientais nos quais o ser se encontra, agredindo por vezes sutilmente estes lugares. É necessário um estado de consciência meditativa para que se consiga desenvolver uma maior retidão mental e um comportamento mais disciplinado, equilibrado e amoroso da mente [...] Aquele que intenciona evoluir e servir a vida deve manter a sua mente alerta à proliferação dos valores inversos às virtudes. É comum estar ludibriado com os valores do atraso sem se perceber. A atenção deve ser redobrada nestes tempos tão enganosos e cheios de armadilhas cultuadas no seio da vida humana comum da Terra [...] Uma mente humana bem desenvolvida possui inúmeros recursos de autocontrole. Equilibra-se com agilidade, adapta-se com flexibilidade, é compreensível e desapegada às crenças. Conduz coordenadamente o seu corpo físico. É como o bambu, firme quando precisa e flexível quando necessário. É porto seguro para a luz da vida superior [...] O sábio motiva os outros a reunirem todas as informações disponíveis em suas mentes e a encaminharem-nas a uma síntese. É necessário destituir o sectarismo que predomina na mente comum e buscar a unidade que interliga e desvela uma rede interdependente de todas as realidades. A ascensão da consciência só ocorre através de sínteses e expansões, nunca através da separatividade e exclusões. Apesar da existência de uma sábia força repulsiva na consciência da unidade cósmica, as contradições e os paradoxos separatistas ficam nas análises mentais daqueles que ainda não acessam as dimensões superiores [...] Escutar o coração é uma sabedoria que poucos alcançam nos dias de hoje. A maior parte da humanidade escuta a voz da sua mente, que é tendenciosa e segue condicionamentos imperceptíveis. Uma mente agitada é conflitante e excitada bloqueando a comunicação do coração, fazendo a sua verdade ficar reprimida.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)




INTELIGÊNCIA INTUITIVA do CORAÇÃO
(DOCUMENTÁRIO)







“O que poderia ser a voz do coração? Como poderíamos reconhe­cê-la e acessá-la, em nossas experiências individuais? Quais são e de onde vêm as vozes que atualmente escutamos em nossas caminhadas por este planeta Terra? Certamente, que todos nós escutamos vozes. Sejam as nossas mes­mas ininterruptamente, ocupando as nossas mentes em análises e pen­samentos que preenchem grandes partes de nossas vidas. Sejam as que vêm do mundo externo, através dos outros seres humanos ou mesmo dos diversos elementos que compõem as realidades que vivenciamos. Há vozes fluindo por toda a nossa experiência terrestre. Dizem alguns sábios, que mesmo no silêncio profundo há a presença da voz mais ele­vada da Fonte que tudo cria em comunicação permanente conosco. Precisaríamos reservar um bom tempo de nossas vidas para nos dedicarmos a um diagnóstico preciso sobre qual é a verdadeira voz de nossos corações. Diante um mundo externo tão confuso, turbulento e mesclado não é de se admirar que um ser humano não saiba mais re­conhecer a voz do seu próprio coração. A falta de sensibilidade à sua própria natureza é um fato real que aplaca o atual estado de grande parte desta humanidade planetária. Há um caos visível, não só fora da consciência humana, mas presente na contraparte interna dos seres mais ignorantes que não sabem se harmonizar. E sem esta harmonia, ou pelo menos uma busca mais sincera e determinada por ela, não há como a voz do coração tornar-se audível. Principalmente a mente se faz aberta às energias mais sutis que bloqueiam, distorcem ou poluem a voz mais pura que fala através do coração. Muito feeling é necessário para que refis possam reter estas vozes impostoras que obstruem um caminho mais límpido e lúcido a uma jornada mais harmônica. Não há regras definidas, práticas exatas, posições pré-determina­das, yogas mirabolantes, orações miraculosas ou mantras atualizados. A voz do coração segue uma ordem individual de Deus para com cada um de seus filhos. Somente cada ser saberá quando a voz do seu pró­prio coração terá se anunciado e evocado a mensagem fidedigna para aquele momentum. É certo que esta voz existe, e que ela difere em tom e graça sobre todas as outras vozes acessíveis ao ser humano. Poucos ainda o acessam, mas muitos se libertaram através dela. Não que deve­mos negar as existências e os propósitos de outras vozes, mas podemos arremetê-las redimensionando-as todas ao julgo de nossos corações e, assim, aguardarmos a síntese que emergirá de sua sábia conclusão. Quem já o faz sabe do seu potencial, da sua magia e da manifestação transcendental que altera as relações de suas vidas para este planeta. É a voz a ser seguida, além da razão e dos conceitos que subexistem numa vida inferior [...] Escutemos a nós mesmos e percebamos que há um ponto interno, via coração, onde todos nós estamos interligados e onde cada elemento da existência externa se encaixa perfeitamente nos propósitos emanados pela Fonte. E ai daquele que despreze “o mundo dos céus” conduzindo um coração humano na Terra, sem lhes dar a devida atenção. O Amor Sabedoria celestial desce somente nas consciências daqueles que têm co­ragem (etimologicamente do francês “couer + age”, agir com o coração).”    (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 267, 268 e 272)




A CONFEDERAÇÃO INTERGALÁCTICA,
O CORAÇÃO e AS ESTRELAS
(HORÁCIO NETHO)



“O projeto de abstração dimensional para a Terra do 'Conselho Cármico da Fraternidade Branca' foi elaborado sob práticas superiores, dentro de uma perfeição geométrica e simbólica imponderável aos seres humanos terrestres comuns. Porém, aqueles que buscam os céus em humildade, entrega e serviço, podem abrir os portais de seus próprios corações e então compreendê-los melhor. Os três átomos permanentes que sustentam as nossas experiências humanas atemporais em nossos corpos inferiores (físico, emocional e mental) se resguardam na câmara secreta do coração, e aquele que encontra a chave que acessa esta sabedoria ainda que pessoal, pode receber dádivas e bênçãos, fortalecendo-se em silêncio e revelações...” (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, pág 17)








quarta-feira, 19 de abril de 2017

Sabedoria Indígena e Segredo das Pirâmides




“Muitos dos estudiosos da 'Senda da Fraternidade Cósmica', às vezes, podem sentir algum tipo de dificuldade para associarem as experiências das Culturas Indígenas com as realidades que interligam os propósitos da Fraternidade Branca e da  Confederação Intergaláctica. Vamos, então, oferecer conteúdos que podem ajudar a desfazer esta possível dificuldade. Como brasileiros que somos, precisamos ter consciência da grande influência, muitas vezes despercebida, que os índios exerceram e ainda exercem sobre as nossas vidas nesta nação. Lembremos, por exemplo, que o Brasil como país geográfico e como 'nação espiritual' existe há bem pouco tempo na órbita deste nosso belo planeta Terra. E que, antes de termos nossos limites geográficos demarcados e receber o nome da nossa pátria, eram as Culturas Indígenas que vivenciavam predominantemente as suas experiências por estas terras. Não por acaso, várias palavras oriundas de idiomas indígenas foram assimiladas pela atual cultura lingüística do Brasil. Saibamos que, hoje, no Brasil temos mais de 100 linguagens diferentes (idiomas, dialetos, etc.) decorrentes ainda da grande diversidade das Culturas Indígenas atuais. As sabedorias dos grandes Xamãs e Pajés da Cultura Indígena nos deixaram grandes ensinamentos, principalmente, no que diz respeito à interligação dos diferentes Espíritos da Natureza com nossas vidas, denominada no Budismo como 'Rede de Interdependência'. Ainda hoje, o simbolismo dos espíritos animais encontra amparo e segurança, principalmente, no acervo de herança da Cultura indígena. Há também aqueles indígenas que nos deixaram profecias e que nos ajudaram a ver as verdades atemporais desta Terra. Pois em toda estrutura social que tem caráter evolutivo, há sempre aqueles emissários do 'tempo cósmico' que sinalizam para o caminho atemporal da vida superior. Aprofundando no objetivo deste tema, vou testemunhar uma experiência pessoal recente que interliga toda esta rede da 'Senda da Fraternidade Branca', envolvendo as realidades de Conselhos e Comandos Espirituais com as experiências da Cultura Indígena, aqui na Terra.”  (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 128 a 130)





POVOS das FLORESTAS 
(AILTON KRENAK)



“Ainda sobre o Comando Ashtar, entre novembro e dezembro de 2010, acompanhei o despertar espiritual ou monádico de uma integran­te deste Comando Estelar. A nave ‘ASHTAKRAN’ foi a unidade do Co­mando Ashtar que alinhou a alma terrena deste ser feminino ao serviço coletivo aos quais se destina este agrupamento cósmico. Para que ocor­ra um despertar monádico, há a necessidade da presença consciente de um Avatar sustentando o evento. Neste caso específico, ‘Yeshtar Ha­wknawara’ foi o Avatar que orientou esta iniciação. ‘Yeshtar Hawkna­wara’ é um Avatar ativo e influente nos Conselhos Indígenas da Terra, tendo vivido experiências em tribos amazônicas, aborígenes e apaches, dentre outras. Não por acaso, este despertar foi emoldurado por uma mágica interligação com os espíritos de alguns animais. Gaviões, co­bras, borboletas, andorinhas, etc... sinalizaram suas presenças e mensa­gens, numa sincronicidade de suprema graça, ofertando um colorido especial ao que testemunhávamos. No equinócio de verão com o eclip­se total da lua, em 21/12/10, esta iniciação foi consumada e aquele ser feminino recebeu o seu “mantra monádico”, seu som de identificação nos reinos dos céus. Também lhe foi revelada a sua co-existência em mais duas Constelações da nossa Via Láctea: “Órion e Lira.”  (Extraído do Livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação” , pág 237)





APACHES, HOPIS, KACHINAS, MAYAS 
e os SERES CÓSMICOS 
(LEANDRO DE LA PASCOA)



“... a Terra encontra-se em pleno processo de sua Federação junto àquilo que é conhecido como Confederação Intergaláctica. Este evento Cósmico para a Terra se dará através de sua coligação junto à Federação de Sírius (não por acaso, Alpha Sírius é a estrela que mais brilha no céu para a Terra). A consciência deste evento está diretamente ligado aos processos iniciáticos da humanidade rumo ao mundo celestial. Um investigador dos mistérios que remontam a História oculta da Terra, vai descobrir que algumas pirâmides construídas neste planeta estão perfeitamente alinhadas com Alpha Sírius, servindo como canais receptores de suas energias dentro de uma engenharia sideral desconhecida e imponderável para muitos seres da atualidade. O simbolismo de Sírius vem sendo resguardado dentro de várias escolas iniciáticas, onde os aspirantes aos mundos dos céus prestam seus votos de serviços abnegados por uma vida mais elevada. Aos poucos, todos estes mistérios secretos antigos estão vindo à tona, e diversos mensageiros dos céus estão dispondo destas verdades mais abertamente.” (Extraído do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs. 48 e 49)




GRADES de CONSCIÊNCIAS
PIRÂMIDES na TERRA
(DRUNVALO MELCHIZEDEK)



“Ao completar 33 anos, o chamado ecoou. A experiência mística naquela pirâmide o despertou para o 'Caminho das Estrelas'. Andrômeda, Sírius, Arcturus, Órion, Lira... Avatares e a consciência indígena do coração. Fraternidade Branca e Confederação Intergaláctica. Nascido como José Horácio Bezerra Neto, em 27\05\69, Fortaleza – CE, teve a sua vida transformada, a partir de uma experiência mística em 2002. Como Educador Físico, com duas especializações na área de Treinamento Desportivo, orientou através dos esportes crianças e jovens por 21 anos em escolas públicas e privadas, em Fortaleza. Sua ‘vida espiritual’ despertou, a partir de uma experiência sutil numa pirâmide, na Amazônia. Através de práticas mântricas, meditações e a assunção consciente de disciplinas, teve os seus corpos sutilizados e reordenados para uma nova vida. Vegetariano, contatado por Conselhos Cósmicos de Cura e Instrução traz a mensagem das estrelas e dos céus para nossas vidas.” (Extraído da contracapa do livro “VIA CORAÇÃO, Caminhos da Transformação”)