Os textos deste Blog foram extraídos dos livros de Horácio Netho: "COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais"

"VIA CORAÇÃO, Caminhos da Transformação" - "SUTRAS, Uma Vida Melhor" - "VIA TERRA, Caminhos da Luz"


sábado, 17 de fevereiro de 2018

SABEDORIAS da VIDA: AMOR e SILÊNCIO








“Como o atual posicionamento fí­sico da Terra se encontra dentro de um quadrante Galáctico regido pela energia do Raio Cósmico de Amor Sabedoria, todos os seres de todos os reinos deste planeta seguem sob a regência primordial, mas não única, desta energia (Amor) tão enaltecida pelos seres humanos. A compreensão do princípio regente do Raio Cósmico de Amor Sabedoria é acolhido por diferentes seres e de diferentes formas, onde cada ser segue num processo evolutivo de amadurecimento em conta­to com esta energia sutil. A cada progresso ascensional na escala evo­lutiva cósmica a energia do Raio Amor Sabedoria é compreendida de uma forma mais expandida, renovada e lúcida. Uma das formas de incorporarmos o Amor Sabedoria, na Terra, é reconhecermos as necessidades de cada tempo e ciclo cósmico, as suas características e discriminações específicas demandadas sob a égide evolutiva. Desta forma, aqueles que estão mais atentos aos eventos que ora acontecem sob a face da Terra, sabem que estamos em uma inten­sa fase de juízo. Em verdade, as instruções que chegam da Hierarquia Cósmica a esta humanidade afirmam que, não só os seres humanos deste planeta, mais todos os reinos que compõem este mundo e, mais ainda, todos os planetas deste sistema solar, todos os sistemas solares desta galáxia e todas as galáxias deste Universo Local, também estão sob juízo [...] Os seres mais intuitivos e que conseguem seguir às ordens corre­tivas de seus sensores mais internos, seguem de forma mais harmônica a energia do Amor Sabedoria. Quando um ser está bem integrado à sua voz interna, seguindo os seus juízos pessoais e sintonizado harmonica­mente dentro de sua posição hierárquica, seja nas estruturas familiares ou nas sociais de serviços e produção, sua energia vital do campo áuri­co flui sem bloqueios. Desta forma, seus chacras ficam alinhados com as energias superiores e o seu propósito existencial, para com a vida terrena e com a Fonte, ficam espontâneos em sua consciência [...] Para desvendarmos todos estes possíveis mistérios sobre julgamen­tos e Hierarquia, deveríamos simplesmente recorrer ao Amor Sabedoria que se encontra, indistintamente, manifestado em cada um de nós. Pois a essência mais profunda de um ser humano, em última instância para a Terra e neste momentum cósmico, é puro Amor Sabedoria. Vejamos, então, que poucos de nós saberemos verdadeiramente o que possa vir a ser o Amor Sabedoria nos níveis mais altos de sua manifestação. Porém, historicamente, os grandes mestres e instrutores que marcaram a vida ancestral da Terra, sempre apontaram para a voz do coração.”  (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 252 a 254 e 265)








“A aceitação é a base na qual se manifesta o amor cósmico. A aceitação deve ser total e indistinta. Devemos aceitar a forma como se expressa toda a nossa vida externa, mas também aceitar todas as nossas reações internas diante as expressões que vêm de fora, sejam elas positivas, negativas ou neutras. A vida nos traz sempre um aprendizado [...] É preciso amar o opositor. Em outras palavras, é preciso aceitar o que e quem te opõe, unir-se a ele em consciência, dissolver a oposição e chegar à neutralidade da percepção da realidade superior. Um trabalho a ser realizado internamente, dentro de cada ser humano [...] O fruto mais nobre da árvore da vida, a colheita mais sublime e elevada da consciência humana na Terra: o amor sabedoria [...] O amor sabedoria é o portal para Kether, a última sephira a ser alcançada pela consciência humana no seu percurso pela árvore da vida, nos ensinamentos cabalísticos. Este setor do Cosmos, no qual a Terra se encontra, é regido pelo raio amarelo do amor sabedoria. A incorporação consciente da sabedoria do amor é, portanto, o estágio mister a ser conquistado para o ser humano se autorrealizar e tornar-se totalmente liberto [...] O medo inibe o amor e vice-versa [...] Um ser mítico de grande luz pode descer aos mundos dos infernos. Vivencia e olha-o de frente... reconhece-o. Purifica-se, eleva-se e o transcende. Torna-se luz guia para aqueles que seguem a senda do Amor Sabedoria.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)








“Observando o comportamento geral da humanidade, detectamos aqueles que sentem dificuldades em reconhecer as magias do amor, mas também conseguimos destacar aqueles seres que vivem ou viveram uma vida superior com sabedoria, onde o amor em um nível elevado se faz presente. Mestres como Jesus, Yogananda, Sathya Sai Baba, Gautama e tantos outros nos deixaram exemplos de uma vida verdadeiramente amorosa. Porém, os poucos exemplos de seres majestosos como estes que tivemos, nos deixaram não somente as suas mensagens e testemunhos do amor, mas também um vasto acervo dos mistérios que os acompanhavam em suas jornadas pela Terra. Como um planeta situado em um quadrante cósmico regido pela energia predominante do segundo raio de Amor Sabedoria, inerente a todas as manifestações ou eventos que por aqui acontecem, o amor é a energia mister que conduz todas estas nossas experiências. Desta forma, desde o simples cantar de um pássaro, passando pela descoberta ou um invento que revolucione as nossas vidas, ou o reconhecimento da necessidade das chuvas e tempestades, por exemplo, e até mesmo os milagres misteriosos que nos são oferecidos pelos grandes mestres, tudo isto pode ser considerado como ‘produtos’ do segundo raio de Amor Sabedoria que rege as nossas experiências por este nosso lar planetário [...] Quando estamos realmente diante de um Grande Sábio e ‘Mago do Amor’ para a Terra, estamos também diante de algumas características materializadas ali naquele ser. Reconhecendo estas características em um outro ser, um aspirante ou iniciado espiritual pode em muito se beneficiar em sua caminhada evolutiva acolhendo a luz irradiada por este ser, se pré-dispondo às orientações e aos exemplos de vida manifestados por ele.” (Dolivro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 115 e 117)








“Uma consciência humana terrestre imatura e despreparada para as surpresas e profundidade do Amor Cósmico pode ficar frustrada com as experiências que se revelam neste nível de realidade. As perspectivas do Amor mundano comum devem ser destituídas na imagem sugerida pelo homem de mente comum, para que um outro nível mais misterioso do Amor possa lhe ser revelado. É preciso esvaziar-se de expectativas e deixar a mente unir-se ao coração silenciosamente para que os milagres do Amor Cósmico possam nos tocar.”  (Horácio Netho)









“Não há dúvida nenhuma para qualquer ser humano que já tenha tido um encontro profundo com o seu silêncio, que é através dele que as portas dos mistérios se abrem. Nenhum Santo verdadeiro, nenhum iluminado místico, nenhum Mestre Ascensionado, nenhum Avatar reconhecido deixou de nos apontar sobre a importância do silêncio para as suas vidas. Por que será?! Dentro deste mundo formal que experimentamos, um meio de nos relacionarmos com os elementos existenciais de nossas vidas reconhecendo-os, discriminando-os e definindo-os, se dá através do 'Mundo das Palavras'. São centenas de acervos de linguagens faladas e escritas utilizadas pela humanidade, na Terra, para relacionar-se com as experiências deste planeta. Somente, no Brasil, há mais de uma centena de linguagens escritas e faladas diferentes, devido à riqueza diversa das Culturas Indígenas locais. Para cada linguagem criada pelo ser humano há uma forma diferente de contato com as realidades. Além do mundo manifestado das palavras e dos seus sons, há um silêncio sustentado por um eterno vazio cósmico que resguarda e protege os mistérios da vida. Este vazio cósmico é que mantêm o propósito original dos arquétipos que vamos experimentando em nossas relações pelo planeta. Já manifestado no mundo formal, qualquer elemento existencial (um objeto, um animal, uma árvore, uma cor, uma nuvem, etc.) tende a receber uma denominação para a sua discriminação, que vem acompanhada de um som de identificação. Porém, a semente arquetípica se preserva no mundo invisível e imanifestado, onde o 'Mundo das Palavras e dos Sons' não pode penetrar. Desta forma, quando queremos nos aproximar mais das verdades superiores de Deus ou da Fonte, necessitamos nos aprofundar em nosso próprio silêncio. Através do silêncio profundo, há aqueles que conseguem desestruturar e transcender o Mundo das Palavras para a Terra, conseguindo se aproximar dos propósitos arquetípicos da Fonte para cada elemento formal manifestado neste planeta. Estes seres podem interagir conscientemente com a Matriz do planeta e auxiliar no aperfeiçoamento dos moldes propostos para uma vida superior. Neste ínterim, alguns dos novos conteúdos formais que já estão sendo bem divulgados, referentes à nova apresentação da espiritualidade para a Terra, podem ganhar um sentido transcendental mais profundo diante os insights que vêm do silêncio. Nomes como CONFEDERAÇÃO INTERGALÁCTICA, Fraternidade Branca, Portal Interdimensional, Extraterrestres e Intraterrenos, Avatar, Naves, etc... podem ganhar uma lucidez mais real quando observados em uma prática mais disciplinada de silêncio. É que além de todos os nomes que existem, que soam, que temos, que usufruimos... há algo maior indefinível pelas letras e pelos sons, onde a CONFEDERAÇÃO INTERGALÁCTICA e os ainda não confederados são crias de um única e mesma Fonte. Onde não sabemos o que somos, mas nossas realizações e fé ganham sentido...” (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 269 a 271)








“Quanto mais harmonizado se encontra o ser, mais ele se sente completo em sua solidão, em seu retiro, em sua quietude e em seu silêncio. Refúgio do EU maior [...] O silêncio ensina sob inúmeras formas diferentes. Cada um aprende com o silêncio, através de insights, de acordo com o seu feeling e as suas necessidades [...] Há os que convivem com o silêncio. Há os que percebem o silêncio. Há os que observam o silêncio. Há os que escutam o silêncio. Há os que entendem o silêncio. Há os que interpenetram o silêncio e há os que se unem a ele [...] O silêncio, a retidão em si, a quietude mental e a atenção plena constituem a plataforma para a transcendência do ego. A bem aventurança e a autorrealização estão num nível bem acima desta plataforma [...] Há um momento em que o buscador espiritual deve deixar de lado todos os ensinamentos adquiridos até então, pois estes já cumpriram os seus propósitos. É chegada a hora de esvaziar-se completamente, entregar-se e prosseguir no caminho apenas guiado pelo seu silêncio interno. Neste momento, ele desiste de tudo, inclusive de ser um buscador, e passa a ser o buscado. A vida oculta o reconhece e pede permissão para lhe direcionar para além do que se possa ser alcançado humanamente [...] Há os que temem a solidão. Não conhecem a sua essência. Nunca reservaram tempo para retiros aquém do movimento sistêmico da humanidade comum. Nunca confidenciaram com a sua voz superior em quietude. Não conhecem os segredos do seu próprio silêncio. Nunca tiveram encontros com as suas verdades mais profundas. Não são íntimos de si próprios. Para estes a solidão é um mal a ser evitado. Pura ignorância [...] Um grande auxílio a um ser pode vir do simples fato de silenciarmos, nos mantermos serenos, equilibrados e centrados em nossa quietude. Por vezes, nos afastarmos e deixarmos que ele confirme ou se desiluda com aquela verdade que busca defender [...] Quando a ignorância se impõe autoritariamente, a sabedoria entra em retidão silenciosamente e aguarda. De outra forma, quando chega o momento da sabedoria manifestar-se, enfim, a ignorância sofre em sua dor [...] Devemos discernir entre o calar da timidez e o silêncio da sabedoria. Entre a fala da ignorância e a voz da instrução elevada [...] Os iniciantes do caminho espiritual conduzem mentes imaturas. Elocubram gratuitamente, especulam desafortunadamente, geram devaneios e criam ilusões. É preciso silenciar e estabilizar a mente para que ela se aperfeiçoe e permita-se ser tocada pela luz da alma e do espírito [...] Há quem busque a verdade nas mentes ou nas palavras faladas ou escritas dos outros. A verdade deveria ser buscada, principalmente, no próprio silêncio pessoal. Mesmo assim, quando ela não se mostrar, é porque assim deve ser. Assim como a verdade, Deus, amor, sorte, justiça, poder, ilusão, acaso, tempo e distância são alguns elementos da vida humana que necessitam de profundas meditações e investigações.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)








“Em silêncio, o nível mais alto da consciência de um determinado ser humano pode ficar ativo por mais tempo. As dimensões mais eleva­das para a Terra encontram, no silêncio de um ser humano, a senda por onde podem se fazer conscientes.”   (Do Livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação” , pág 167)







“O encontro com o divino não ocorre seguindo caminhos inflexíveis e sob crenças pré-estabelecidas. É preciso entregar-se profundamente ao silêncio interno, distanciar-se de toda e qualquer crença pessoal ou coletiva e buscar penetrar o vazio da existência. Devemos aquietar nossas mentes e deixar que a própria vida superior nos conduza, mostrando-nos o mais adequado para cada momento e ser, sem nenhuma expectativa [...] Todos devem saber guardar segredos, silenciar em retidão para não falar desnecessariamente a quem não se deve. A lei do silêncio é campo de provação para aqueles que penetram a vida superior. A quem necessite e se baste com apenas uma laranja, dar-se-á apenas uma laranja [...] Enquanto os homens viverem a realidade limitada das palavras e ficarem presos a elas, ficarão no mundo da separatividade. As palavras definem, fecham conceitos, limitam espaços e tendem a cristalizar crenças. Tudo isto é transitório. Por sua vez, a consciência do silêncio profundo esgarça todas as limitações das palavras, expande as realidades e unifica a vida em uma linguagem superior. Perde-se, então, o sentido das palavras e do seu uso comum, pois elas não conseguem penetrar nem sobreviver ao mundo superior [...] Um grande mestre resguarda parte dos seus ensinamentos ocultamente e em silêncio. Reserva-os somente para alguns escolhidos e em momentos adequados. Sabe que o caminho requer busca, perseverança, investigação, devoção, mérito e iniciação por parte do peregrino espiritual. O desvelar de um mistério ganha mais força, importância e poder quando exige algum esforço por parte do buscador. De outra forma, não receberia a devida atenção por uma consciência acomodada, preguiçosa e que recebe tudo fortuitamente em suas mãos [...] Ao falar abertamente sobre a sua sabedoria, sua iluminação pessoal ou a sua autorrealização, o ser humano pode sentir a sua própria luz se enfraquecer. Quanto mais silenciosa e oculta é a ação de um ser mais poderosa e forte é a sua luz. O silêncio é um vetor inerente da presença mais poderosa do amor sabedoria que vem de Deus [...] Em certo momento, o homem percebe que todas as suas palavras proferidas externamente serviram mais para a sua própria formação interna. A partir daí, ele busca falar menos, ouvir mais e recolher-se na sabedoria do equilíbrio de seu silêncio profundo [...] É preciso reconhecer que há momentos em que palavras, diálogos, conceitos, explicações, sons... não adiantam. São os momentos do silêncio, da quietude, da retidão e da sabedoria maior. Sede silêncio e nenhum som te perturbarás [...] Algumas verdades moram no silêncio. É só lá onde podemos ouvi-las [...] Alguns falam por simples excitação ou inquietude, outros por sabedoria. Alguns calam por inibição ou timidez, outros por sabedoria. O equilíbrio harmônico entre fala e silêncio é uma das bases que sustentam a sabedoria humana na Terra.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)










segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

PRÁTICAS EVOLUTIVAS: Oração e Mantras




“Nenhum ser humano terreno alcança ní­veis superiores de consciência sobre a sua pró­pria existência, sem percorrer antes o caminho de um conversa mais íntima com aquele que o pro­jetou aqui neste planeta. Neste ínterim, encontra-se esta prática a qual denominamos de oração. Orar designa o uso da fala para se comu­nicar, porém esta significação é limitada e inade­quada para expressar aquilo o que realmente sustenta o propósito da oração como prática evolutiva. A voz ou a fala é apenas uma das vias de contato da consciência humana com as diversas naturezas existen­ciais que sustentam o holismo da vida. Porém, é uma das principais e, consideravelmente, a primeira que muitos seres humanos terrenos encontram para buscar um auxílio dos céus. Através do uso da palavra, naquilo que chamamos de oração, reza ou prece, um ser humano pode concentrar e enviar toda a sua energia in­tencional de se comunicar com os planos superiores. Esta prática, apesar de ser usual e comum dentro da coletividade desta atual raça humana, principalmente nos caminhos religiosos, tem sido mal utilizada e des­viada para fins puramente egoístas daqueles que a praticam. Uma ora­ção verdadeira e sincera brota isenta de desejos, emanando uma energia inerentemente pura da alma humana, e não dos egos contaminados que buscam por resultados e geram expectativas a partir de suas práticas. Uma oração ou uma prece traz para a dimensão da fala do ser humano um poder de criação e retorno que, quando bem direcionado, promove respostas inusitadas para a experiência existencial de quem a pratica. A fala é uma das principais fontes criativas que mobilizam as energias dispostas, cosmicamente, para a evolução desta atual raça hu­mana neste planeta. Através da fala, um ser humano pode encaminhar realidades, harmonizar ambientes, promover curas, ordenar o caos e acessar dimensões supramentais.”   (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 229 e 230)







“A conseqüência de cada palavra em uma oração deve ser medida e a intenção de cada decreto deve ser investigada, para que os eventos que possam passar a ser manifestados na vida do ser sejam coerentes e sustentáveis pelas leis que lhes introduzem. A energia acompanha a ordem que a gera e impulsiona, e assim seguem os princípios sustentadores das orações e dos decretos. Os decretos do Arcanjo Miguel são orações transcendentais for­tes que exigem valores nobres como desapego, humildade, pureza e entrega. Valores ainda raros dentro desta atual humanidade terrena. Estes decretos abrem contato direto com consciências superiores com­petentes em ajustes de realidades atemporais, a serviço na Terra. São indicados, preferencialmente, para aqueles que já pressentem os novos tempos, as novas realidades e se consideram dispostos ou preparados para assumirem as consequências de suas próprias transformações, ne­cessárias para aderirem ao seu novo caminhar sobre a Terra. Créditos e débitos cármicos atemporais são vetores observados dentro das leis que acompanham cada consciência humana, devendo ser equilibrados diante as suas práticas evolutivas.” (Extraído do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 235 e 236)





DECRETOS do ARCANJO MIGUEL



“Há realidades específicas que caracterizam as manifestações da natureza cósmica. Podemos afirmar que a realidade dos Mantras é uma experiência que faz parte da siderurgia cósmica que se dispõe para a Terra como um recurso linguístico, onde há uma conexão da consciência de quem o usufrui com as realidades atemporais do Universo.  Atualmente, com a atividade mais aberta e consciente da Hierarquia Cósmica sobre a face da Terra, muitos missionários estão se revelando em usufruto dos Mantras para auxiliar a humanidade em sua nova fase evolutiva. O usufruto dos Mantras aproxima e conecta as realidades cósmicas em suas diversas funções. Diferentes são os propósitos e alcances dos Mantras. Há Mantras que se destinam especificamente aos processos de curas, enquanto outros podem se destinar a simplesmente realizar um contato com algum ser que necessite se fazer presente conscientemente, a partir dos planos imateriais. Dentre todos os Mantras que um iniciado espiritual vai conhecendo e usufruindo na sua compreensão sobre a vida cósmica, há Mantras pessoais que lhe são destinados pelas suas próprias consciências cósmicas superiores. Assim como o seu ego possui um nome externo pelo qual é reconhecido na vida comum (Exemplos: José, João, Antônio, Maria, etc.), sua alma possui um outro nome ainda terrestre e que pode ser percebido em estados meditativos harmônicos, através do seu corpo de luz desperto. Num nível mais elevado, nossas consciências espirituais são reconhecidas através de Mantras. Desta forma, a nossa primeira manifestação além Terra e fora das realidades formais deste planeta, se apresenta para nós através do seu Mantra. Para estarmos diante de qualquer Mantra cósmico, necessitamos estar conscientes da necessidade de disciplinas seletivas, pois a elevação de nossas energias e consciências seguem no rumo do aperfeiçoamento da vida.” (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 172 a 174)





MANTRAS da REDE do TEMPO
(DISCOS SOLARES)



“A Hierarquia Espiritual que orienta a evolução humana para a Terra, através de iniciações, pode oferecer recursos ou ferramentas que auxiliem o ser humano a desenvolver, aperfeiçoar e proteger a sua mente. Tais recursos ou ferramentas ficam integrados aos corpos sutis e à disposição da consciência do ser para usufruí-las. Há mantras especí­ficos para ativação de alguns destes recursos, enquanto outros seguem a simples vontade do alto iniciado.”  (Do Livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, pág 161)





EXEMPLOS de MANTRAS CONFEDERADOS:











PRÁTICAS EVOLUTIVAS: Devoção e Fé




“Como uma energia apresentada para o Reino Humano como um ‘Raio Planetário’ (Sexto Raio Rosa) de desenvolvimento da consciência, a Devoção está no acervo de experiências que um ser humano deve reconhecer e incorporar em um determinado momento da sua evolução por este planeta. Atualmente, grande parte da humanidade ainda está aprendendo a se relacionar e a desenvolver de forma equilibrada esta energia, em muitos casos as religiões formais oferecem as condições ideais para esta experiência devocional. Porém, em alguns casos, estas mesmas religiões acabam distorcendo negativamente esta energia devocional gerando apegos a realidades formais, idolatrias, fanatismos e emotividades desequilibradas dentre outros enganos. Enquanto esta energia devocional não for incorporada de forma inteligente e ascendente para as causas espirituais celestes, o homem não pode desenvolver outras experiências superiores que lhes aguardam. Uma das atividades árduas que os Mestres da Fraternidade Branca se dedicam é a de auxiliar seus Iniciados a finalizarem as experiências devocionais e iniciarem outras experiências, como por exemplo com o Sétimo Raio que leva à autorrealização da alma e abre os portais para a vida cósmica. Sob uma certa visão, a Devoção é uma energia evolutiva para grande parte da humanidade ainda imatura para os propósitos e causas celestes, enquanto que para uma pequena parte da humanidade já experiente com o Sexto Raio, a Devoção pode ser considerada até como uma energia involutiva pois necessita ser desapegada para que outros Raios encontrem na consciência do Iniciado um espaço e oportunidade para os seus desenvolvimentos. Em síntese, todas as energias desenvolvidas através das naturezas dos Raios podem ser consideradas evolutivas ou involutivas, a depender do ‘momentum’ em que o Iniciado esteja vivenciando dentro da sua caminhada evolutiva.”  (Horácio Netho)





“Enquanto o mundo espiritual não se apresenta à consciência do ser e ele não adentra a vida mística, ele deve permanecer em fé e oração, em serviço, devoção e busca, fazendo das suas tarefas individuais um meio de ir se aproximando da natureza de Deus. Independente da sua crença, deve manter-se firme nos bons princípios [...] A face de Deus se revela, aos poucos, para a consciência do ser. Neste ínterim, uma natureza devocional cresce dentro do coração do buscador [...] Ante a luz... reverência, devoção, silêncio e entrega [...] As flores são divinas. Fortalecem a devoção pela vida. Embelezam, perfumam, afastam o perigo e inspiram as almas mais nobres [...] Presentes na humanidade, há grandes instrutores lidando com temas de caráter transcendental, se expressando dentro das sociedades, sejam através da escrita ou da oratória. Alguns são bastante versáteis e hábeis no domínio das palavras. Grandes oradores conseguem atrair a atenção humana e hipnotizar platéias em discursos inflamados. Da mesma forma, grandes escritores desenvolveram o dom do convencimento através da organização de suas palavras. Muitos destes seres agem em nome de instituições religiosas, filosóficas, educacionais, filantrópicas, beneficientes, etc. Alguns geram idolatrias, enquanto outros extraem uma devoção exagerada às suas imagens diante dos seus públicos. O equilíbrio, a sensatez e a simplicidade são marcas incontestáveis que se expressam espontaneamente em um instrutor realmente elevado. O ser humano necessita desenvolver um discernimento refinado para não ficar retido nas miragens ou nas ilusões alimentadas por muitos destes instrutores. Através da intuição e de uma investigação apurada, um ser humano pode perceber claramente o alcance da mensagem de um instrutor e, a partir daí, comportar-se de acordo com a sua própria consciência [...] Não devemos rejeitar nenhuma forma de religião externa criada pelos homens. Há um propósito superior para seitas, igrejas, cultos e instituições organizadas. Apesar dos desvios dos ensinamentos e das práticas de vários grandes mestres, as religiões ainda trazem algum benefício para esta humanidade. A devoção é virtude. Não devemos excluir nenhuma experiência humana de busca. Tal ato confirma uma consciência imatura de separatividade. Com sabedoria e elevação do ser humano, brota em sua consciência interna a verdadeira religião. A compreensão de sua expressão oriunda da Fonte criadora e mantenedora da existência. Há uma unidade que permeia tudo.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)






“O oculto sempre te conduziu e sempre te conduzirá. Ele é o teu guia maior a quem a tua fé deve se dirigir [...] As crenças que cada ser conduz são produtos materiais de formas-pensamentos que nutrem a mente humana, inerentemente. A fé, por sua vez, lida com produtos imateriais que chegam à consciência do ser por meio da intuição, silenciosamente. A fé pode ser redimensionada para a mente analítica, quando o ser sente necessidade do aval de uma razão que ofereça mais sustentação à sua experiência. Porém, há experiências que a razão não pode tocar, onde a fé e o irracional preponderam [...] Só desvela o mistério do espírito aquele que tem fé. E para a fé não há meio termo, ou se tem ou não se tem. O sábio instrutor espiritual não perde tempo com um ser desprovido de fé que tende somente a racionalizar as instruções. Tal ser se limita ao campo das filosofias, das crenças, dos argumentos, das teorias e das discussões que só bloqueiam o alcance superior ao qual o sábio intenciona almejar. Enfim, a fé é um completo estado de entrega, desistência de si em prol das mais altas verdades silenciosas de Deus [...] Uma das bases primordiais que sustentam a prática da meditação é a fé. É saber que se vai penetrar em verdades inconcebíveis e em mundos desconhecidos que permeiam a existência e a inexistência do ser [...] O caminho da luz não trilha veredas já conhecidas pelo ser e demarcadas por setas fixadas. É um eterno convite à aventura no desconhecido, em passos guiados pela fé. A luz só se faz presente e sensível, após a entrega ao mais alto e a revelação do mistério [...] Nestes momentos finais de expulsão das energias involutivas da Terra, muitas informações serão distorcidas, enquanto outras serão criadas negativamente para confundir e servir de provas aos mais céticos. Intencionam perturbar e atrasar as mentes fracas e inflexíveis, desviando-as do foco ao qual a fé deva se dirigir. Desta forma, só restará um local seguro ao qual o ser humano poderá recorrer, o próprio coração. A voz mais alta de Deus vem sempre pelo coração, onde há o contato íntimo com o que ele requer para cada ser [...] Não há tempo nem distância definida para o curador cósmico. Estas ilusões já foram transcendidas por ele. Aqueles que têm fé e abrem os seus corações para acolherem as energias deste mistério são tocados pelo poder de cura destes missionários [...] É necessário cessar os desejos. Não é o homem sozinho que vai resolver as questões mundiais. Ele não tem força e poder isolado para isto. Deve reconhecer os seus limites. Há entidades e consciências maiores que são capacitadas para esta tarefa. A entrega, a divisão de responsabilidades e a fé no mundo divino é a sabedoria que deve se estabelecer para o controle dos desejos humanos [...] A teoria científica da física quântica afirma que tudo aquilo em que o ser não acredita deixa de existir. Ou seja, somos nós que selecionamos parte de nossas próprias verdades e realidades, gerando as respostas para os eventos em nossas vidas. É neste ínterim, que o ser humano pode se limitar e bloquear o acesso aos níveis divinos do seu EU. Raros são os seres que se transcenderam e aceitaram as palavras de Jesus, quando ele afirmava que os que tinham fé nele poderiam fazer mais que ele próprio. Aquele grande mestre sabia que a própria evolução da Terra iria oferecer certas condições cósmicas, para que outras dimensões superiores ficassem acessíveis mais facilmente. Desta forma, grandes iniciados com os mundos sutis poderiam realizar o que a humanidade comum ocasionou chamar de milagres. É preciso ter conhecimento e sabedoria para se gerar a luz suficiente que permita a um ser humano penetrar na essência da fé que tudo pode e realiza. Nem tudo é impossível sob a luz do Cristo Cósmico [...] Só restam duas opções para o missionário espiritual. Ou julga tudo, questiona a sua cruz, duvida de sua fé e abandona o caminho em sofrimento; ou assume-se de vez, apoiando a sua cruz da forma mais confortável, seguindo em frente [...] A espera, a paciência e a fé no que virá são ingredientes necessários para a colheita ideal. São virtudes inerentes do bom semeador.” (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)






“O divisor de águas entre os ensinamentos espirituais sagrados e os ensinamentos da ciência contemporânea é a fé. A ciência tende a estabelecer e fortalecer verdades através de métodos e sistemas racionais, concretos, lineares, compreensíveis e limitados. Por sua vez, as verdades espirituais e sagradas são irracionais, ilimitadas e incompreensíveis para uma mente humana comum. Sustentam-se em um plano acima da normalidade consensual coletiva. Transitam pelo mundo dos mistérios. Somente com arrojo, coragem, pureza, entrega e fé o homem pode acessar este nível sagrado. Um caminho ainda para poucos. Mesmo assim, a atual ciência da física quântica, através de seres de vanguarda, já aborda a possibilidade de um comportamento atômico irracional e imponderável, com total disponibilidade [...] A religião assumida pelo sábio não tem nome nem definição, não tem doutrina estabelecida nem crenças sedimentadas, não tem idolatria nem apologia. Estabelece-se constantemente em sua consciência e renova-se a cada momentum presente, acompanhando o movimento intermitente dos astros e da sua respiração. É um estado de constante fé e entrega à impermanência da Fonte. É autêntica presença espontânea na consciência do Todo [...] Certas instruções e realidades espirituais não requerem explicações. Estão aí para desenvolver a fé no buscador, virtude essencial para um ser elevado [...] O homem elevado vive sob os auspícios da fé. Chega a ser julgado e incompreendido por isto. Não tem a certeza intelectiva exata de como a obra divina se realiza, nem tem interesse nisto, apenas se entrega e aceita o mistério. Contempla. Sabe dentro de si que está seguindo o caminho certo, através de insights, e que a vida superior o apoia [...] Aquele que vive a sua espiritualidade no ouvir falar ou no que lê em livros de ensinamentos está limitado às verdades dos outros, da sua vida externa. O desenvolvimento da espiritualidade é também um processo de busca pessoal interna, onde o ser tem que viver a sua experiência direta, imanente e transcendente. É preciso se aventurar pelos mundos da fé e do desconhecido, desvelar o oculto e o mistério que traz resguardado dentro de si próprio, internamente. Não se sacia a fome ouvindo-se falar onde se tem o alimento, mas procurando-o e degustando-o [...] O respaldo da razão pessoal é de vital importância para que o ser humano possa transitar pelo caminho rumo ao desconhecido. Até mesmo para se acolher as verdades irracionais, a razão deve ofertar a sua disposição e o seu aval. Não deve gerar contraposição, mas se portar como um sábio investigador. Deve resguardar um estado de crença, onde a fé possa fluir livremente. Enfim, a razão pessoal deve adquirir a sabedoria do desapego, da sutilidade e do tempo não linear, para que os mistérios do divino possam ser revelados [...] O homem de fé não anseia por saber quem são os seus guias, se compraz em perceber internamente que está seguindo rumo à luz, orientado internamente. Quanto melhor for um guia, maior a sua capacidade de prestar o seu serviço sem se fazer notar. Mais sutil é a sua presença. É pura luz, sem forma, sem imagem, sem cor, sem som, sem nome... somente luz.” (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)